terça-feira, 30 de agosto de 2011

Agricultura Familiar Sustentável e Geoprocessamento




Hoje quero comentar com vocês sobre como o Geoprocessamento é e pode ser ainda mais aplicado na Agricultura Familiar Sustentável. Vou citar como exemplo um trabalho desenvolvido aqui em minha cidade natal, João Pessoa, na Paraíba.

Mas antes de entender a relação do Geoprocessamento com a Agricultura Familiar, temos que entender o que é uma Agricultura Familiar.

O que é Agricultura Familiar

Segundo a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a agricultura familiar representa a imensa maioria de produtores rurais no Brasil. São os pequenos e médios produtores. São cerca de quatro milhões e meio de estabelecimentos rurais aqui no Brasil, sendo que destes metade está localizado aqui na Região Nordeste.

Qual a importância da Agricultura Familiar? Este braço da agricultura responde por 30% da produção global! Você sabia que a agricultura familiar chega a ser responsável por 60% da produção de produtos básicos, que consumimos todos os dias, como feijão e arroz?

Por que Aplicar o Geoprocessamento?

A prefeitura implementou em 2005 um programa de microcrédito denominado “Empreender-JP”. O programa é composto de várias linhas de crédito, as quais variam de acordo com a atividade e com a localização do empreendimento. Uma dessas linhas é chamada chamada “Cinturão Verde”, é voltada para a agricultura familiar sustentável.

Devido ao progresso alcançado no atendimento ao seu público-alvo, essa linha de crédito já é considerada um projeto em fase de desenvolvimento, atingindo níveis mais complexo em diversos aspectos, exigindo a inserção de novas tecnologias que possam auxiliar o seu gerenciamento – Neste ponto é que entra o Geoprocessamento!

Observando e partindo desta necessidade, a também tecnóloga em Geoprocessamento, Julie Eugênio (julie@clickgeo.com.br) desenvolveu um projeto onde o foco seria o Gerenciamento das Atividades de Agricultura Familiar Sustentável com base em técnicas de Geoprocessamento. O emprego de tecnologias do Geoprocessamento, como o SIG, o posicionamento por satélite, imagens de satélites, entre outras, têm proporcionado condições para uma melhor gestão das atividades rurais.

O mapa abaixo apresenta a localização da área de abrangência do projeto “Cinturão Verde”.




A utilização das ferramentas do Geoprocessamento, por profissionais habilitados, visando implementar um SIG auxiliado por um Banco de Dados Geográficos, poderia suprir as necessidade e ajudar na organização, no planejamento e na administração das atividades, colaborando com o processo de tomada de decisão.

Mas como o Geoprocessamento foi aplicado para esse projeto?
Metodologia Aplicada

Os dados para desenvolvimento da aplicação SIG foram coletados em três etapas:

1. Identificação da base cartográfica utilizada;
2. Coleta de dados espaciais em campo;
3. Coleta dos dados alfanuméricos.

Como para atingir os objetivos do projeto seria necessária a organização dos dados espaciais junto aos dados alfanuméricos, a visualização e consultas dos mesmos, foi feita uma pesquisa sobre quais ferramentas, principalmente livres, atenderiam todas essas necessidades.

Após analisar os vários fatores envolvidos, percebeu-se que o SGBD PostgreSQL com sua extensão espacial PostGIS, e o software de SIG Quantum Gis, atenderiam aos requisitos mencionados acima.

A base cartográfica no formato shapefile com a divisão da cidade de João Pessoa por bairros foi obtida na Prefeitura da cidade.

Primeiramente, os arquivos em formatos shape foram importados para o PostGIS executando-se o carregador de shapefiles que acompanha a extensão espacial PostGis, através do comando shp2pgsql. Após a fixação das tabelas com geometrias, fez-se a criação da modelagem do banco de dados, primeiramente em modelo conceitual, passando-o para modelo lógico, gerando o esquema físico para o SGBD. Logo, o banco estava alimentado com os dados de interesse do projeto.

Após a organização dos dados e a junção das tabelas, procedeu-se o desenvolvimento da aplicação SIG, com uma interface amigável para com os usuários finais, com possibilidade de criação de mapas temáticos, de se realizar vários tipos de consultas, além de estabelecer a conexão com o PostgreSQL/PostGIS.

A figura abaixo resume a metodologia aplicada no projeto. Aplicando-a pôde-se chegar a resultados que demonstram, de maneira clara, a importância de uma aplicação SIG para apoiar a gestão administrativa de projetos municipais.

A aplicação contém várias camadas resultantes do banco de dados confeccionado e das views, bem como várias tabelas que possibilitam a realização de consultas das informações alfanuméricas, junto à localização espacial à qual a informação está vinculada.

A figura abaixo é um dos mapas temáticos gerados pela aplicação, com a espacialização das propriedades rurais assistidas pelo projeto.



O próprio Quantum Gis tem diversas ferramentas que podem ser usadas para uma melhor interatividade com os mapas, como as ferramentas de medição que podem ser usada em uma área, a ferramenta de identificação das feições, entre outras.
Considerações Finais e o que vem por ai…

O trabalho possui uma versão escrita, não qual é detalhada a metodologia empregada. Você pode baixar o arquivo PDF acessando a seção de publicações do Portal ClickGeo.

A aplicação desenvolvida no exemplo citado proporciona uma contribuição simples e eficaz à gestão de projetos ligados à agricultura familiar, pois permite a organização e a atualização de todas as informações dos proponentes cadastrados e das atividades desenvolvidas, sempre considerando a componente espacial.

Digno de nota foi a ênfase dada ao uso de ferramentas livres para SIG e Banco de Dados Geográficos. O valor tecnológico do Geoprocessamento no gerenciamento de suas atividades implicará um diferencial importante nas tomadas de decisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário