terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Geospatial information is applied in studies of the greenhouse effect


New research projects of the NMA were approved in competitive tender. The results were reported by Embrapa in late December. Among the approved projects for networks of GHG GHG Grains and Forests on the emission of greenhouse gases by these production systems, and even a project on management of geospatial information.

In order to assess the impacts of Brazilian agriculture and forestry in climate change, major research networks were established by Embrapa to quantify the balance of greenhouse gases (GHG) production systems in the different Brazilian biomes. In the last announcement, three project components of NMA were approved as part of these initiatives. Since last year, the Unit also participates in the Network pecus, turned to cattle ranching in Brazil.

Through the network GHG grains, the project led by researcher Daniel Castro Victoria is responsible for mapping, spatial and classification of grain production systems using remote sensing. An overview of national agriculture will be drawn from the data side of agricultural production. Victoria explains that an online platform will be mounted (WebGIS) in which the sample areas in different biomes, will be defined and serve as control targets for training and validation of different classification systems for use and land cover from remote sensing .

The economic evaluation of technologies and policies to mitigate emissions of greenhouse gases in grain production systems is the subject of another project component of the GHG network grains, under the leadership of the researcher from Embrapa Satellite Monitoring, Sérgio Gomes Tost. By design, there is the work of classification and spatial location of the main grain production systems, its characterization and economic analysis, the formulation of mathematical programming models and integrated assessment of the production system, public policy and development scenarios.

Component of the network that studies the dynamics of the emission of greenhouse gases and carbon stocks in natural and planted forests (Forest GHG), the bill passed by the NMA will digitally classify and estimate the carbon stock of forest areas across biomes, through remote sensing. The project leader, Edson Bolfo explains protocols that will be generated mapping carbon cost less than traditional protocols and ability to extrapolate local features for geographically broader.

Management of geospatial information

The research project "Advances in the Management of Geospatial Information to Support Research, Development and Agricultural Innovation" was approved under the macro-program of Embrapa-oriented institutional development of the Company. Under the leadership of the analyst NMA, Debora Pignatari Drucker, the project intends to expand the supply and accelerate the dissemination of geospatial information by Embrapa through the implementation of a repository of data and metadata. The proposal is consistent with the guidelines of the National Spatial Data Infrastructure (NSDI), established by decree and propose a standard for integrating all geospatial data existing in the various institutions of the Brazilian government.

With information from the NMA


Tradução

Informação geoespacial é aplicada em estudos do efeito estufa



Novos projetos de pesquisa da Embrapa Monitoramento por Satélite foram aprovados em edital competitivo. Os resultados foram divulgados pela Embrapa neste final de dezembro. Entre os aprovados há projetos das redes GEE Grãos e GEE Florestas, sobre a emissão de gases de efeito estufa por parte desses sistemas de produção, e ainda um projeto sobre gestão da informação geoespacial.

Com o intuito de avaliar os impactos da agropecuária e silvicultura brasileira nas mudanças climáticas, grandes redes de pesquisa foram implantadas pela Embrapa para quantificar os balanços de gases de efeito estufa (GEE) em sistemas produtivos brasileiros nos diferentes biomas. No último edital, três projetos componentes da Embrapa Monitoramento por Satélite foram aprovados como parte dessas iniciativas. Desde o ano passado, a Unidade também participa da Rede Pecus, voltada para a atividade pecuária brasileira.

Pela rede GEE Grãos, o projeto liderado pelo pesquisador Daniel de Castro Victoria será responsável pelo mapeamento, espacialização e classificação dos sistemas produtivos de grãos com o uso de sensoriamento remoto. Um panorama nacional da agricultura será traçado a partir de dados secundários de produção agrícola. Victoria explica que será montada uma plataforma online (WebGIS) na qual as áreas amostrais, nos diferentes biomas, estarão delimitadas e servirão como alvos de controle para o treinamento e validação de diferentes sistemas de classificação de uso e cobertura do solo a partir de sensores remotos.

A avaliação econômica de tecnologias e políticas para mitigação de emissões de gases de efeito estufa em sistemas de produção de grãos é tema de outro projeto componente da rede GEE Grãos, sob liderança do pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Sérgio Gomes Tôsto. Pelo projeto, haverá o trabalho de tipificação e localização espacial dos principais sistemas de produção de grãos, sua caracterização e análise econômica, a formulação de modelos de programação matemática e a avaliação integrada de sistema de produção, políticas públicas e elaboração de cenários.

Componente da rede que estuda a dinâmica da emissão de gases de efeito estufa e dos estoques de carbono em florestas naturais e plantadas (GEE Floresta), o projeto aprovado pela Embrapa Monitoramento por Satélite vai classificar digitalmente e estimar o estoque de carbono de áreas de florestas nos biomas brasileiros, por meio de sensoriamento remoto. O líder do projeto, Édson Bolfe, explica que serão gerados protocolos de mapeamento de carbono com custo inferior aos protocolos tradicionais e com possibilidade de extrapolar características locais para regiões geograficamente mais abrangentes.

Gestão da informação geoespacial

O projeto de pesquisa “Avanços na Gestão da Informação Geoespacial para Suporte à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Agropecuária” foi aprovado no âmbito do macroprograma da Embrapa orientado para o desenvolvimento institucional da Empresa. Sob liderança da analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Debora Pignatari Drucker, o projeto pretende ampliar o fornecimento e acelerar a disseminação da informação geoespacial pela Embrapa por meio da implantação de um repositório de dados e metadados. A proposta tem consonância com as diretrizes da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE), instituída por decreto e que propõe um padrão para integrar todos os dados geoespaciais existentes nas diversas instituições do governo brasileiro.

Com informações da Embrapa Monitoramento por Satélite

Nenhum comentário:

Postar um comentário